Life Time

Minimalismo: a mentalidade que o sustenta

Certo, está decidido que podemos e devemos reencaminhar-nos! Resta, então, perceber o que é, de facto, o minimalismo e compreender, o melhor possível, as suas reais implicações no nosso dia a dia.

 

Muito resumida e esclarecidamente, define uma filosofia de vida, a adotar e a aplicar gradualmente; segundo a qual, “identificamos o essencial e eliminamos o desnecessário”, descobrindo “a liberdade de viver apenas com o suficiente para atender às nossas necessidades”. Tal consciência não aparece tão repentinamente como a enorme vontade de mudar e é, portanto, inevitavelmente basilar passarmos por todo um complexo mas elementar processo de reconstrução mental.

Para nos ajudar, eis aquelas noções primordiais, facilitadas pela maravilhosa Francine Jay em “Menos é mais”, aqui sucintamente adaptadas e explicitadas.

 

  1. As coisas são o que são, não lhes devendo ser atribuído qualquer outro poder
  2. Não somos aquilo que possuímos, mas o que fazemos, sabemos e queremos
  3. Menos coisas = menos stress por querer, por adquirir, por precisar cuidar e por se desfazer no final
  4. Menos coisas = mais liberdade para nos dedicarmos, então, ao que realmente nos satisfaz na companhia de quem nos preenche
  5. Urge praticar o desapego de tudo o que não seria prioridade salvar em caso de extrema necessidade; compreendendo que são outras as coisas que realmente importam
  6. Precisamos ser bons porteiros, encarando a “casa como um espaço sagrado e não como um espaço de depósito”
  7.  Um abraço no espaço, reconhecendo que “a beleza exige um certo vazio para ser apreciada”; e que “a vida é o espaço entre as nossas coisas”
  8. Devemos aproveitar sem possuir, resistindo “à tentação de recriar o mundo exterior dentro de casa”; de forma a que o prazer obtido pela posse não seja, então, gradualmente usurpado pelo peso do cuidado e manutenção
  9. O prazer do suficiente, medido objetivamente em relação a nós próprios; que nos torna, assim, “reis em comparação a muitos outros ao redor do mundo”
  10. Vivamos com simplicidade, comprando de produtores locais (que investem em empregados locais e abdicam da energia gasta em transporte), comprando de segunda mão e comprando menos

 

Também podes gostar!